CoDAS
http://www.codas.periodikos.com.br/article/doi/10.1590/2317-1782/20202019029
CoDAS
Artigo Original

Responsiveness of Specialized Hearing Rehabilitation Centers in Maceió: User Evaluation

Responsividade dos Centros de Saúde Auditiva de Maceió: Avaliação dos Usuários

Nayyara Glicia Calheiros Flores; Renata Patrícia Freitas; Soares de Jesus; Suely Arruda Vidal

Downloads: 0
Views: 62

Abstract

Purpose: To evaluate the responsiveness of hearing health services as a measure of user satisfaction. Method: Cross-sectional study conducted in four Specialized Hearing Rehabilitation Centers (SHRC), accredited by the National Health System (SUS) in Maceió, state of Alagoas, Brazil, henceforth named SHRC-A, -B, -C and -D. The sample size was calculated proportional to the number of users aged >18 years who received hearing aids by SHRC. The Multi-country Survey Study (MCSS) was applied with assessment of seven domains: dignity, autonomy, clear communication, confidentiality, prompt attention, choice of health care provider, and quality basic amenities, using a Likert scale ranging from 1 to 4 points, with results presented in graphs and tables (in number and percentage). Responsiveness classification was as follows: very low/low (sum of responses one and two) and good/very good (sum of responses three and four). Results: “Dignity” was evaluated as good by over 90% of the respondents, and “confidentiality” was assessed as good by 80% of them, except for one SHRC. “Autonomy” was classified as good by 66.5% of the respondents in SHRC-C and 55.5% in SHRC-A. “Choice of health care provider” was considered poor responsiveness by 27.5% of the respondents in SHRC-B and 35.9% in SHRC-D. Regarding “prompt attention” in receiving hearing aids, 41.2% of the respondents reported that they had to wait six to nine months in SHRC-D and three to six months in the other SHRC 41.8-48.5%. Conclusion: Most users evaluated the responsiveness of hearing health services as good, but some MCSS domains need improvement. Studies of this nature provide useful results for the planning and reorganization of services, aiming to improve the assistance process.

Keywords

Responsiveness; Health Evaluation; Hearing Health Services; Hearing Loss; Hearing Aids

Resumo

Objetivo: Avaliar responsividade dos serviços de saúde auditiva como medida da satisfação dos usuários. Método: Estudo de corte transversal em quatro Centros Especializados de Reabilitação (CER) em Maceió-AL, nomeados aqui A, B, C e D, habilitados no Sistema Único de Saúde (SUS). Amostra calculada proporcional ao número de usuários maiores de 18 anos que receberam próteses auditivas por Centro. Aplicou-se o Multi-Country Survey Study, com os domínios: dignidade/ respeito profissional; autonomia; comunicação; confidencialidade; agilidade/ pronto atendimento; escolha profissional, e serviços básicos/amenidades. Respostas em escala Likert, variando de um (1) a quatro (4) pontos, apresentadas em gráficos, tabelas e percentuais. Classificação: responsividade baixa/muito baixa (somatório respostas um e dois) e boa/muito boa (três e quatro). Resultados: “Dignidade/ respeito” avaliado com boa responsividade por mais de 90 % e “Confidencialidade” com 80 %, exceto em um CER. “Autonomia” foi classificada como boa responsividade por 66,5 % (CER C) e 55,5 % (CER A). “Escolha profissional” julgada com pobre responsividade, 27,5% no CER B e 35,9% no D. “Agilidade” na concessão da prótese auditiva, 41,2% esperaram seis a nove meses no CER D, e nos demais, três a seis meses (41,8-48,5%). Conclusão: A maioria avaliou a responsividade dos serviços de saúde auditiva como boa, mas há domínios que necessitam melhorar. Estudos dessa natureza fornecem resultados úteis ao planejamento e à reorganização dos serviços, visando melhorar o processo de assistência.

Palavras-chave

Responsividade; Avaliação em Saúde; Serviços de Saúde Auditiva; Perda Auditiva; Auxiliares de Audição

Referências

1 WHO. World Health Organization. Deafness and hearing loss; Fact sheet N° 300; Updated May, 2018. Disponível em: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/deafness-and-hearing-loss [acesso outubro/2018] [ Links ]

2 Wilson BS, Tucci DL, Merson MH, O'Donoghue GM. Hearing loss: an important global health concern. Lancet 2016; 387: 2351. PMid:27312288. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)30777-2 [ Links ]

3 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [home page na Internet]. Censo de 2010. [acesso em: 25 jul 2016]. Disponível em: http:ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Características_Gerais_Religiao_Deficiencia/caracteristicas_religiao_deficiencia.pdf [ Links ]

4 Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 2.073 de 28 de setembro de 2004. Institui Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva. Diário Oficial da União de 29/09/2004; Seção 1:34. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br [acesso em 06/8/2013] [ Links ]

5 _______. Ministério da Saúde. Decreto n. 7.612 de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver sem Limite. Brasília (DF); 2011. [acesso em: 06 ago 2013]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7612.htm [ Links ]

6 ______. Ministério da Saúde. Portaria n. 793, de 24 de abril de 2012. Institui a Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. [acesso em: 06 ago 2013]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012 [ Links ]

7 Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência a Saúde. Portaria nº 1357 de 02 de dezembro de 2013. Habilita Centros Especializados em Reabilitação, Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2013/prt1357_02_12_2013.html [ Links ]

8 Donabedian, A. An Introduction Quality Assurance in the Health Care. Oxford 2003. Ch 4. Selecting Approach to Assessing Performance, p. 45-57 [ Links ]

9 Barbosa MR, Medeiros DS, Ribeiro GM, Rossi-Barbosa LAR, Caldeira AP. Satisfação com os aparelhos de amplificação sonora individual entre usuários de serviços de saúde auditiva. Audiol. Commun. Res. 2013;18(4):2607. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/acr/v18n4/06.pdf [acesso em 24/1/2017]. https://doi.org/10.1590/S2317-64312013000400006 [ Links ]

10 WHO - World Health Organization. The Health Systems Responsiveness Analytical Guidelines. WHO, 2005. Disponível em: http://www.who.int/responsiveness/mcss [acesso em: 01 out 2016] [ Links ]

11 Andrade GRB, Vaitsman J, Farias LO. Metodologia de elaboração do Índice de Responsividade do Serviço (IRS). Cad. Saúde Pública [Internet]. 2010; 26(3):523-534. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/ssm/content/raw/?resource_ssm_path=/media/assets/csp/v26n3/10.pdf [acesso em 24/7/2017]. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000300010 [ Links ]

12 Silva A, Valentine N. Measuring responsiveness: results of a key informants survey in 35 countries. [GPE Discussion Paper Series: nº 21]. World Health Organization, 2000. 41p [ Links ]

13 Ughasoro MD, Okanya OC, Uzochukwu BSC, Onwujekwe OE. An Exploratory Study of Patients' Perceptions of Responsiveness of Tertiary Health-care Services in Southeast Nigeria: A Hospital-Based Cross-Sectional Study. Niger J ClinPract 2017; 20(3):267-273) Disponível em: http://www.njcponline.com/text.asp?2017/20/3/267/183255 [acesso em 06/03/2017]. PMid:28256478. https://doi.org/10.4103/1119-3077.183255 [ Links ]

14 Peltzer, K. Phaswana-Mafuya N. Patient experiences and health system responsiveness among older adults in South Africa. Glob Health Action. 2012; 5: https://doi.org/10.3402/gha.v5i0.18545. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3509423/pdf/GHA-5-18545.pdf [acesso em 01/12/2014] [ Links ]

15 Comes Y, Trindade JS, Shimizu HE, Hamann EM, Bargioni F, Ramirez L. Avaliação da satisfação dos usuários e da responsividade dos serviços em municípios inscritos no Programa Mais Médicos. Ciênc. Saúde Coletiva [Internet]. 2016.21(9):2749-2759. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000902749&lng=en [acesso em 24/01/2017]. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.16202016 [ Links ]

16 Melo DS, Martins RD, Jesus RPFS, Samico IC, Santo ACGE. Avaliação da responsividade de um serviço de saúde público sob a perspectiva do usuário idoso. Rev Saude Publica. 2017; 51:62. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1518-8787.2017051006854. Acesso em 25/1/2018 [ Links ]

17 Lima TJV, Arcieri RM, Garbin CAS, Moimaz SAS, Saliba O. Humanização na atenção básica de saúde na percepção de idosos. Saúde Soc. São Paulo. 2014; 23(1):265-76. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902014000100265 [Acesso em 25/7/17]. https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000100021 [ Links ]

18 IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [home page na Internet]. Brasil/Alagoas/Maceió. Panorama. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/al/maceio/panorama [acesso em: 20/2/2018] [ Links ]

19 Marchi MM, Sztajn R. Autonomia e heteronomia na relação entre profissionais de saúde e usuários dos serviços de saúde. Revista bioética, 2009. Disponível em: http://www.revistabioetica.cfm.org.br/index.php/revista_bioetica/article/viewFile/322/390. [acesso em 14/12/2017] [ Links ]

20 Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde PNH. Política de Humanização do UHS. Brasília, 2013. Folheto. 1ª Ed. 1ª reimpressão. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf [acesso em 31/1/2018] [ Links ]

21 _______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática / DAET. Coordenação Saúde da Pessoa Idosa / COSAPI. Diretrizes para o Cuidado das Pessoas Idosas no UHS: Proposta de Modelo de Atenção Integral XXX Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_cuidado_pessoa_idosa_sus.pdf [acesso em 15/02/2018] [ Links ]

22 Lodenstein E, Dieleman M, Gerretsen B, Broerse JEW. Health provider responsiveness to social accountability initiatives in low and middle-income countries: a realist review. Health Policy and Planning, 2017. 32(1):125-140. Disponível em: https://academic.oup.com/heapol/article-abstract/32/1/125/2555394 [acesso 09/02/2018]. PMid:27375128. https://doi.org/10.1093/heapol/czw089 [ Links ]

23 Silva LSG, Gonçalves CGOG, Soares VMN. Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva: um estudo avaliativo a partir da cobertura de serviços e procedimentos diagnósticos. CoDAS [Internet]. 2014; 26(3):241-247. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-17822014000300241&lng=en [acesso em: 20/02/2018]. https://doi.org/10.1590/2317-1782/201420140440 [ Links ]

24 Lei no 8.666/1993: licitações e contratos. Edição atualizada até julho de 2017. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017. 84 p. Disponível em http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/531037/Lei_8666_1ed.pdf?sequence=1 [acesso em 20/02/18] [ Links ]

25 Adesanya T, Gbolahan O, Ghannam O, Miraldo M, Patel B, Rishi Verma RV, Wong H: Exploring the responsiveness of public and private hospitals in Lagos, Nigeria. J Public Health Res 2012, 1(1):e2. PMid:25170439. https://doi.org/10.4081/jphr.2012.e2 [ Links ]

26 Mohammed S, Bermejo JL, Souares A, Sauerborn R, Dong H. Assessing responsiveness of health care services within a health insurance scheme in Nigeria: users' perspectives. BMC Health Services Research 2013 13:502. [ Links ]


Submetido em:
08/02/2019

Aceito em:
05/06/2019

5fd0cbbf0e88259b267e075e codas Articles

CoDAS

Share this page
Page Sections